Letrista, Poeta, Roteirista, Escritor e demasiadamente humano.

Águas do poder


 
 
Ah, pequeninos da aldeia Te’Yikuê
Querem estudar, mas sem água não dá
Sem água não pode, sem ela a poeira cobre
Já não conseguem enxergar as vogais
Já não conseguem enxergar o alfabeto
Não há cume, de onde se possa ver o futuro
Ele se afogou e seu corpo boia
Nas leis dos homens, na "Desordem e Regresso" .
                                                                      Fonte.